*Publicidade

Home     Notícias
ECONOMIA

Goiás é líder no Centro-Oeste em número de unidades locais de empresas industriais

Números mostram que governo está no rumo certo na condução da pauta econômica


Publicado em 28 Junho 2024

Secom

|   Compartilhe esta página: facerbook  twitter  whatsapp

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fabricação de produtos alimentícios representa mais da metade da receita líquida industrial de Goiás, aponta IBGE 
Fabricação de produtos alimentícios representa mais da metade da receita líquida industrial de Goiás, aponta IBGE 

Com o terceiro maior número da série histórica iniciada em 2007, Goiás é líder na quantidade de unidades locais de empresas industriais com cinco ou mais pessoas ocupadas, no Centro-Oeste, aponta a Pesquisa Industrial Anual (PIA), divulgada na quinta-feira (27/06), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com dados referentes a 2022. O estado puxa o ranking na região com 7.037 unidades, o equivalente a 52,6% do total, seguido por Mato Grosso (3.154), Mato Grosso do Sul (1.929) e Distrito Federal (1.262). 

“Esse resultado mostra o excelente trabalho que o governo estadual realiza, valorizando e estimulando a potencialidade de Goiás, o que nos leva a estar à frente em diversas pesquisas, muitas vezes superando a média nacional”, comemora o secretário de Indústria, Comércio e Serviços, Joel de Sant’Anna Braga Filho. 

Em outras quatro variáveis analisadas no levantamento, Goiás também é destaque no Centro-Oeste: é a unidade federativa que mais gerou receita líquida de vendas (R$ 229,4 bilhões); com o maior contingente de pessoas ocupadas (253 mil), e que receberam um total de R$ 10,1 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações. Além disso, a atividade industrial goiana gerou R$ 64,8 bilhões em valor de transformação industrial (VTI), número superior ao do Mato Grosso (R$ 41,1 bilhões), Mato Grosso do Sul (R$ 36 bilhões) e Distrito Federal (4 bilhões).     

Perfil
A PIA ainda mostrou que a fabricação de produtos alimentícios, uma das atividades inseridas na indústria da transformação, representa mais da metade da receita líquida industrial de Goiás com participação de 54,9%. O valor de transformação industrial é liderado também pela fabricação de produtos alimentícios (R$ 26,9 bilhões), que ainda conta com o maior número de unidades locais (1.383), 19,7% do total do estado; e com a maior participação em pessoal ocupado (37,3% do total neste item em Goiás).   

O salário médio mensal pago pelas indústrias goianas foi de R$ 3.057,23, duas vezes e meia o salário mínimo de 2022. A atividade que melhor paga é a da metalurgia, cujo rendimento do pessoal ocupado é 4,79 s.m (salário mínimo), seguida pela extração de minerais metálicos e, depois, pela fabricação de produtos químicos. 

Já quando a análise leva em conta o quesito produto, estão no topo do ranking goiano tortas, bagaços e farelos da extração do óleo de soja, com um valor de produção de R$ 17 bilhões e receita líquida de vendas de R$ 14,9 bilhões. Carnes de bovinos frescas ou refrigeradas subiram uma posição, alcançando o segundo lugar, com produção de R$ 12,5 bilhões e receita líquida de R$ 12,4 bilhões. Já o álcool etílico (etanol) não desnaturado, com teor alcoólico em volume maior ou igual a 80%, anidro ou hidratado para fins carburantes ficou na terceira posição com valor de produção de R$ 9,5 bilhões e receita líquida de vendas de R$ 9,5 bilhões. 

Pesquisa
A PIA Empresa retrata as características estruturais do segmento empresarial da atividade industrial do país. As informações são utilizadas para a análise e o planejamento econômico das empresas do setor privado e dos diferentes níveis do governo. Já a PIA Produto, segundo o IBGE, constitui a principal fonte de informações sobre a produção de bens e serviços industriais no Brasil.

Jornal Diário do Norte

E-mail jornaldiariodonorte@uol.com.br

Endereço Avenida Federal Nº. 248 Centro, Porangatu Goiás.

© 2024 - Jornal Diário do Norte